banner
IMG_9386

Naked ou esportiva sem carenagem? Testamos a BMW S1000R

A BMW, marca alemã famosa por fabricar veículos Premium de duas ou quatro rodas insistiu durante anos em construir esportivas com o tradicional motor 2 cilindros Boxer e suspenções Paralever e Telelever. Apesar de terem um público fiel, essas motos nunca chegaram perto das rivais italianas e japonesas no quesito desempenho esportivo.

IMG_9539

Eis que em 2009 os bávaros resolveram se render à formula de sucesso dos japoneses e lançaram a S 1000RR com motor quatro cilindros em linha, chassi dupla trave de alumínio, suspenção dianteira invertida e traseira monoamortecida. Com uma relação peso potência descomunal e uma ciclística de dar inveja às Ducati, a 1000 “zarolha” alemã tornou-se um tremendo sucesso e é considerada até hoje por muitos como a melhor superesportiva de série.

IMG_9518

Aproveitando o sucesso a RR, a BMW resolveu apostar em uma versão Naked, ou melhor, Supernaked para combater a Kawasaki Z 1000, CB 1000R e as rivais europeias. Surgiu então no Salão de Milão de 2013 a S 1000R, uma moto radical que herdou as maiores virtudes da sua irmã carenada.

Recebemos a moto na sede da Sael BMW Natal e confesso que senti um certo frio na barriga. A expectativa para rodar nela era grande, afinal, com a base da S 1000RR não havia de ser uma moto mansa.

IMG_9545

Antes de partir para o teste, a tradicional passada de vista de 360° revelou um design ousado, cuidadoso com os detalhes para que a “R” não parecesse apenas uma “RR” despida. Na cor Azul fosco, a versão testada passa até uma certa sobriedade, não fosse a robustez do modelo e o poderoso som do escapamento, seria até uma moto discreta. A pintura em preto do chassi e da balança traseira esconde um pouco a beleza das formas destas peças. O motor é pintado em cinza e fica parcialmente coberto pelas carenagens do tanque.

IMG_9520

Na dianteira o destaque fica para a bela bengala invertida dourada e para o farol assimétrico que confere à máquina um olhar desafiador. Tanque e rabeta seguem a linha dos utilizados na versão carenada, com uma lanterna de Leds muito bonita. O nível de acabamento é altíssimo, não há cabos soltos ou fora de lugar, olhando a moto lateralmente não se enxerga um ponto de luz sequer do outro lado, todos os espaços estão preenchidos.

IMG_9528

Aos comandos sentimos uma grande diferença na posição de pilotagem em relação à versão supersport. O guidão é largo e fica em uma altura agradável. As pedaleiras são menos elevadas e recuadas, deixando as pernas do piloto menos flexionadas. É uma moto compacta, curta, com tanque largo que permite um bom encaixe para as pernas e transmite aquela sensação agradável de estar totalmente integrado com a máquina.

IMG_9351

Se a aparência é de uma moto despojada, não se engane, essa naked tem muita tecnologia embarcada. Basta acionar a chave para que o belo painel acenda e um monte de informações apareçam. Com exceção do conta-giros, tudo nele é digital. O grande display contém velocímetro, indicador de marcha engatada, relógio, hodômetro total e parcial, marcador de combustível, temperatura do líquido de arrefecimento e o modo de pilotagem selecionado.

IMG_9535

São quatro modos disponíveis, Road, Dynamic, Dynamic Pro e Rain. No modo rain a potência é reduzida e a moto fica muito dócil, já no Dynamic Pro toda a cavalaria fica liberada. Como não estava chovendo, selecionei o modo Road e acelerei rumo ao litoral Sul. Nos primeiros metros já me empolguei com o lindo som emitido pelo escapamento 4-2-1, limpo, abafado e numa altura ideal. Ponteira esportiva nela só pra quem gosta de muito barulho, a original já berra que é uma beleza.

IMG_9230

O motor é sensacional, 4 cilindros em linha, DOHC, 16 válvulas, refrigerado a líquido e alimentado por Injeção eletrônica. Ele foi amansado para gerar “apenas” 160cv a 11.000 rpm (na RR são 193cv), em compensação ganhou torque em rotações mais baixas, atingindo 11,4 kgf.m a 9.250 rpm. Saindo da inércia senti o motor mais cheio, exigindo menos da embreagem. No trânsito de Ponta Negra a agilidade da S 1000 ajudou na hora de passar pelos carros e não tive dificuldades no corredor. Aliás, se você não se incomodar muito com o calor do motor nas pernas e com a limitação de esterço, até que ela se sai bem no dia a dia.

IMG_9370

Com pista livre a frente aproveitei para esticar um pouco as marchas e comprovar toda a esportividade da fera. Mudei para o modo Dynamic Pro e a subida de giro ficou muito mais rápida, sorte que o grande shift light avisa a hora exata para trocar de marcha. Já na primeira das seis a S1000R supera os 100 km/h, daí em diante imagine até onde ela pode ir. Com certeza roda na casa dos 250 km/h, algo muito sacrificante para uma moto desprovida de proteção aerodinâmica. O engate das marchas é um pouco duro e seco, mas muito preciso.

IMG_9434

Em curva ela se comporta como uma supersport, contornando com total segurança e estabilidade. As suspensões copiam tudo e os pneus grudam no asfalto como chiclete, além disso o chassi de alumínio dupla trave praticamente não torce. A moto é tão boa de curva que me empolguei um pouco e comecei a deitar mais do que devia, até que me lembrei que estava sobre uma moto que custa R$ 68 mil e que deveria leva-la de volta intacta, para a saúde do meu bolso.

IMG_9495

Na dianteira um garfo telescópico invertido com multi regulagens e na traseira uma balança de alumínio como um único amortecedor, ambas com 120 mm de curso, dão conta do recado com sobras. Os freios acompanham o nível do pacote e não decepcionam. Disco duplo flutuante com pinças radiais de dois pistões na dianteira e disco simples de 220 mm com pinça de um pistão na traseira, além do Race ABS de série que pode ser desligado. Um simples triscar de dedo no manete da direita faz a moto reagir instantaneamente, um poder de frenagem impressionante.

IMG_9244

A S1000R é uma naked de alto nível, que pode ser radical e ao mesmo tempo dócil e suave dependendo do modo de pilotagem selecionado. Apesar de toda tecnologia embarcada, acho ela um pouco cara, mesmo assim para quem busca uma naked com personalidade e desempenho de esportiva sem muitos penduricalhos é uma ótima opção. E ainda tem o famoso símbolo azul e branco na carenagem…

Tags Related
You may also like
Comments

Comments are closed.